Televisão: uma escola de imoralidade

 

mai11 Márcio

 

publicado em: http://intribulationepatientes.wordpress.com/2008/05/11/televisao-uma-escola-de-imoralidade/

 

Este artigo não vai tratar a imoralidade da televisão no que se refere ao desprezo pela castidade. Isso já está tão evidente que apenas uma mente pervertida e afastada de Deus pode suportar o baixo nível dos programas televisivos, que não passam de pornografia barata. Acontece que, a Moral abrange muito mais do que a castidade, e essa não é a única virtude desprezada e atacada pela mídia.

Eu não tenho costume (seria melhor dizer, o vício) de assistir televisão. Não há nada de instrutivo nem de edificante na TV Tupiniquim. No entanto, diante do crime que comoveu o país, decidi ligar um pouco a caixinha eletrônica de besteiras audiovisuais para ver se me inteirava um pouco do triste episódio. Grande teimosia e inocência a minha de ainda achar que poderia ver algo de útil, mas foi o que eu fiz.

O apresentador, como uma vitrola quebrada, repetia, com um sensacionalismo nojento, as mesmas frases e passava as mesmas cenas inúmeras vezes. A certa altura, começaram a exibir umas tais “cenas exclusivas”, gravadas ilegalmente com uma câmera escondida. Ao mesmo tempo que o apresentador, berrando como um endemoniado, falava de justiça, as cenas ilegais eram exibidas. Que grande contradição! Exigir a realização de justiça para os criminosos no exato instante em que se transmite, em rede nacional, uma atitude moralmente incorreta, qual seja, a gravação ilegal da prisão dos acusados. Tudo em nome da “liberdade de imprensa”, que não passa de uma meio de ganhar dinheiro a qualquer custo, até mesmo a custo da Moral.

É uma pena que as pessoas que assistem à televisão não tenham o mínimo senso crítico. Aliás, a televisão acaba realmente destruindo a capacidade das pessoas de raciocinar. Cria-se um exército de múmias, que recebem informação sem ponderar sobre elas. Por isso, a televisão pode cometer um ato tão imoral quanto desobedecer a polícia, que havia proibido as filmagens no interior do prédio, sem que o público se dê conta da baixaria. Pelo contrário, o apresentador até enfatiza que as imagens são exclusivas, pouco se importando que as mesmas tenham sido gravadas com uma câmera escondida, num ato imoral de enganar a polícia. Enquanto isso, as outras redes de televisão filmavam de fora do prédio, sofrendo desvantagem em relação àquela que não respeitou as regras. A televisão se tornou, em tudo, até nos mínimos detalhes, uma escola de imoralidade. E que não tem vergonha, nem mesmo, de transmitir em rede nacional o produto de um desrespeito à autoridade policial.

Da imbecilidade e imoralidade da televisão, livrai-nos Senhor!

 

 

ARTIGOS