Honestidade. Por que é importante?...

 

Jordan Augusto

 

publicado em: http://www.bugei.com.br/news/index.asp?id=1803

 

 

Dá-se a impressão de que o ser humano nunca se preocupou tanto com ascensões e conquistas... Seja nos campos profissional, emocional, financeiro... Em tudo é perceptível a grande preocupação em alcançar um objetivo, mesmo que este lhe custe algo a mais. É estranho como que, por um pedaço de papel escrito determinada graduação, o homem se transforme tanto. Nos caminhos tradicionais, esta é a que menos importa. Tudo é um rotulo que indica que esta ou aquela pessoa já está neste caminho há um determinado tempo. Nada mais! Para muitos, a ostentação representa o poderio que se concentra em uma satisfação interior. Éh!... Apenas interior, porque exteriormente em verdade, ela nada representa. O que de fato tem vulto em nosso exterior é a boa educação, o caráter, verdade e um caminho reto... Sem curvas! 

Nos dias de hoje, isso já não tem importância para a grande maioria, a não ser, quando é apontada no caminho alheio. Quantos não apontam seus companheiros com o dedinho sujo, e quando questionados, disparam: ah!... Mais é diferente! 

Vladimir tinha um companheiro de prisão chamado Andrey. 

Ambos sabiam que daquele lugar poucos saíam com vida, pois o alimento que se dava aos prisioneiros políticos não tinham por objetivo mantê-los vivos por muito tempo. 

A taxa de mortalidade era extremamente alta, graças ao regime de fome e aos trabalhos forçados. E como é natural, os prisioneiros, em sua maioria, roubavam tudo quanto lhes caía nas mãos. 

Vladimir tinha, numa pequena caixa, alguns biscoitos, um pouco de manteiga e açúcar – coisas que sua mãe lhe havia mandado clandestinamente, de quase três mil quilômetros de distância. 

Guardava aqueles alimentos para quando a fome se tornasse insuportável. E como a caixa não tinha chave, ele a levava sempre consigo. 

Certo dia, Vladimir foi despachado para um trabalho temporário em outro campo. E porque não sabia o que fazer com a caixa, Andrey lhe disse: deixe-a comigo, que eu a guardo. Pode estar certo de que ficará a salvo comigo. 

No dia seguinte da sua partida, uma tempestade de neve que durou três dias tornou intransitáveis todos os caminhos, impossibilitando o transporte de provisões. 

Vladimir sabia que no campo de concentração em que ficara Andrey, as coisas deviam andar muito mal. 

Só dez dias depois os caminhos foram reabertos e Vladimir retornou ao campo. 

Chegou à noite, quando todos já haviam voltado do trabalho, mas não viu Andrey entre os demais. 

Dirigiu-se ao capataz e lhe perguntou: 

- Onde está Andrey? 

- Enterrado numa cova enorme junto com outros tantos prisioneiros, respondeu ele. Mas antes de morrer pediu-me que guardasse isto para você. 

Vladimir sentiu um forte aperto no coração. 

- Nem minha manteiga nem os biscoitos puderam salvá-lo, pensou. 

Abriu a caixa e, dentro dela, ao lado dos alimentos intactos, encontrou um bilhete dizendo: 

"Prezado Vladimir. Escrevo enquanto ainda posso mexer a mão. Não sei se viverei até você voltar, porque estou horrivelmente debilitado. Se eu morrer, avise a minha mulher e meus filhos. Você sabe o endereço. 

Deixo as suas coisas com o capataz. Espero que as receba intactas." 

Andrey. 

Pense nisso! 

Ser honesto é dever que cabe a toda criatura que tem por meta a felicidade. E a fidelidade é uma das virtudes que liberta o ser e o eleva na direção da luz. Uma amizade sólida e duradoura só se constrói com fidelidade e honestidade recíprocas. Somente as pessoas honestas e fiéis possuem a grandeza d’alma dos que já se contam entre os espíritos verdadeiramente livres.

 

ARTIGOS